Julho 2019

ARQUÉTIPO

19 Julho Barreiro | 20 Julho Vila Real | 28 Julho Moita

ARQUÉTIPO é uma performance escrita para o espaço público, que convida o espectador a refletir sobre o tema do “Amor” na sociedade contemporânea!
O epicentro da narrativa é um mergulho subcutâneo em direção ao nosso EU primitivo.
A linguagem artística do projecto situa-se entre a dança e a acrobacia contemporânea.

Direção Artística: António Franco de Oliveira

Bailarinos | Intérpretes: João Santiago e Joana Martins
Maquinistas | Intérpretes: Julieta Rodrigues, Rui Azevedo
Sonoplastia: António de Franco Oliveira

Cenografia: Américo Castanheira
Figurinos: Julieta Rodrigues
Co produção: Radar 360º Associação Cultural,   Festival DDD OUT Corpo + Cidade , Festival Trengo, Festival Vaudeville Rendez Vous
Apoio á criação: Fundação GDA 
Fotografia: Teresa Couto

ARQUÉTIPO

19 Julho Barreiro | 20 Julho Vila Real | 28 Julho Moita

ARQUÉTIPO é uma performance escrita para o espaço público, que convida o espectador a refletir sobre o tema do “Amor” na sociedade contemporânea!
O epicentro da narrativa é um mergulho subcutâneo em direção ao nosso EU primitivo.
A linguagem artística do projecto situa-se entre a dança e a acrobacia contemporânea.

Direção Artística: António Franco de Oliveira

Bailarinos | Intérpretes: João Santiago e Joana Martins
Maquinistas | Intérpretes: Julieta Rodrigues, Rui Azevedo
Sonoplastia: António de Franco Oliveira

Cenografia: Américo Castanheira
Figurinos: Julieta Rodrigues
Co produção: Radar 360º Associação Cultural,   Festival DDD OUT Corpo + Cidade , Festival Trengo, Festival Vaudeville Rendez Vous
Apoio á criação: Fundação GDA 
Fotografia: Teresa Couto

ARQUÉTIPO

19 Julho Barreiro | 20 Julho Vila Real | 28 Julho Moita

ARQUÉTIPO é uma performance escrita para o espaço público, que convida o espectador a refletir sobre o tema do “Amor” na sociedade contemporânea!
O epicentro da narrativa é um mergulho subcutâneo em direção ao nosso EU primitivo.
A linguagem artística do projecto situa-se entre a dança e a acrobacia contemporânea.

Direção Artística: António Franco de Oliveira

Bailarinos | Intérpretes: João Santiago e Joana Martins
Maquinistas | Intérpretes: Julieta Rodrigues, Rui Azevedo
Sonoplastia: António de Franco Oliveira

Cenografia: Américo Castanheira
Figurinos: Julieta Rodrigues
Co produção: Radar 360º Associação Cultural,   Festival DDD OUT Corpo + Cidade , Festival Trengo, Festival Vaudeville Rendez Vous
Apoio á criação: Fundação GDA 
Fotografia: Teresa Couto

O BAILE DOS CANDEEIROS

12 Julho MAPS – Mostra de Artes Performativas em Setúbal

Todos nós temos um universo mágico que carregamos da nossa infância. Candeeiros humanos, autónomos, espalhados por pontos estratégicos, transformam os espaços que habitam, e deslocam-se através deles com movimentos específicos:
acendem, apagam, respiram, interagem…

Direção Artística: António Franco de Oliveira
Intérpretacção: António Franco de Oliveira, Filipe Caco, Filipe Moreira, Flávio Rodrigues, Gilberto Oliveira, Mariana Amorim, Julieta Rodrigues e Tanya Ruivo;
Cenário e adereços: António Franco de Oliveira, Emanuel Santos e Pedro Estevam;
Figurinos: Julieta Rodrigues
Sonoplastia: Fernando Rodrigues, com a participação especial de Paulo Neto, no tema Electro Swing;
Apoios à criação: Fábrica da rua da Alegria (ESMAE), Rui Ferreira.
Fotografia: JM

O BAILE DOS CANDEEIROS

12 Julho MAPS – Mostra de Artes Performativas em Setúbal

Todos nós temos um universo mágico que carregamos da nossa infância. Candeeiros humanos, autónomos, espalhados por pontos estratégicos, transformam os espaços que habitam, e deslocam-se através deles com movimentos específicos:
acendem, apagam, respiram, interagem…

Direção Artística: António Franco de Oliveira
Intérpretacção: António Franco de Oliveira, Filipe Caco, Filipe Moreira, Flávio Rodrigues, Gilberto Oliveira, Mariana Amorim, Julieta Rodrigues e Tanya Ruivo;
Cenário e adereços: António Franco de Oliveira, Emanuel Santos e Pedro Estevam;
Figurinos: Julieta Rodrigues
Sonoplastia: Fernando Rodrigues, com a participação especial de Paulo Neto, no tema Electro Swing;
Apoios à criação: Fábrica da rua da Alegria (ESMAE), Rui Ferreira.
Fotografia: JM

O BAILE DOS CANDEEIROS

12 Julho MAPS – Mostra de Artes Performativas em Setúbal

Todos nós temos um universo mágico que carregamos da nossa infância. Candeeiros humanos, autónomos, espalhados por pontos estratégicos, transformam os espaços que habitam, e deslocam-se através deles com movimentos específicos:
acendem, apagam, respiram, interagem…

Direção Artística: António Franco de Oliveira
Intérpretacção: António Franco de Oliveira, Filipe Caco, Filipe Moreira, Flávio Rodrigues, Gilberto Oliveira, Mariana Amorim, Julieta Rodrigues e Tanya Ruivo;
Cenário e adereços: António Franco de Oliveira, Emanuel Santos e Pedro Estevam;
Figurinos: Julieta Rodrigues
Sonoplastia: Fernando Rodrigues, com a participação especial de Paulo Neto, no tema Electro Swing;
Apoios à criação: Fábrica da rua da Alegria (ESMAE), Rui Ferreira.
Fotografia: JM

ECO's – Espaço.Corpo.Objetos
Oficina Criativa de Malabarismo e Manipulação de Objetos

01 a 05 Julho | Fundação Lapa Lobo

As Artes Circenses são as ferramentas pedagógicas nucleares desta formação. Reconhecidas cientificamente como disciplinas exigentes e simultaneamente lúdicas, as técnicas de Circo potenciam capacidades psicomotoras, como a concentração, a autoconfiança, a coordenação, a resistência e a imaginação. A partir de um plano pedagógico estruturado e progressivo, propõe-se uma reinterpretação da técnica clássica que caracteriza o universo do Circo em geral e do Malabarismo em particular. Esta oficina visa, assim, capacitar os formandos com noções básicas para o exercício da manipulação de objetos e do malabarismo. E desafiam-se os participantes a interpretar o objeto enquanto corpo animado e, inversamente, o corpo como objeto! Este formato de laboratório de pesquisa foca a interação entre a manipulação de objetos, a expressão corporal e a construção de personagens, promovendo a investigação e o experimentalismo.

ECO's – Espaço.Corpo.Objetos
Oficina Criativa de Malabarismo e Manipulação de Objetos

01 a 05 Julho | Fundação Lapa Lobo

As Artes Circenses são as ferramentas pedagógicas nucleares desta formação. Reconhecidas cientificamente como disciplinas exigentes e simultaneamente lúdicas, as técnicas de Circo potenciam capacidades psicomotoras, como a concentração, a autoconfiança, a coordenação, a resistência e a imaginação. A partir de um plano pedagógico estruturado e progressivo, propõe-se uma reinterpretação da técnica clássica que caracteriza o universo do Circo em geral e do Malabarismo em particular. Esta oficina visa, assim, capacitar os formandos com noções básicas para o exercício da manipulação de objetos e do malabarismo. E desafiam-se os participantes a interpretar o objeto enquanto corpo animado e, inversamente, o corpo como objeto! Este formato de laboratório de pesquisa foca a interação entre a manipulação de objetos, a expressão corporal e a construção de personagens, promovendo a investigação e o experimentalismo.

ECO's – Espaço.Corpo.Objetos |
Oficina Criativa de Malabarismo e Manipulação de Objetos    

01 a 05 Julho | Fundação Lapa Lobo

As Artes Circenses são as ferramentas pedagógicas nucleares desta formação. Reconhecidas cientificamente como disciplinas exigentes e simultaneamente lúdicas, as técnicas de Circo potenciam capacidades psicomotoras, como a concentração, a autoconfiança, a coordenação, a resistência e a imaginação. A partir de um plano pedagógico estruturado e progressivo, propõe-se uma reinterpretação da técnica clássica que caracteriza o universo do Circo em geral e do Malabarismo em particular. Esta oficina visa, assim, capacitar os formandos com noções básicas para o exercício da manipulação de objetos e do malabarismo. E desafiam-se os participantes a interpretar o objeto enquanto corpo animado e, inversamente, o corpo como objeto! Este formato de laboratório de pesquisa foca a interação entre a manipulação de objetos, a expressão corporal e a construção de personagens, promovendo a investigação e o experimentalismo.

Histórias Suspensas

06 e 07 Julho LU.CA | Lisboa

Imaginamos três narradores de histórias. O corpo e a voz saltam para dentro das histórias, agindo e reagindo através de voos, voltas e reviravoltas. Criam-se desvios que nos levam a outras pequenas histórias.

Link + Info’s

Direção Artística: Joana Providência
Intérpretes e Co-criadores: António Franco de Oliveira, Filipe Caldeira, Julieta Rodrigues e Rui Paixão
Cenário: A2G Arquitectura – Ângela Frias e Gonçalo Dias
Figurinos: Julieta Rodrigues
Adereços: Suzete Rebelo
Sonoplastia: Flanco
Coordenação Técnica, Cenografia e Operação de Som: Emanuel Santos | Hugo Ribeiro | Rui Azevedo
Desenho de luz (versão palco): Wilma Moutinho
Operação luz: Wilma Moutinho | Luís Ribeiro
Co-produção: RADAR 360º Associação Cultural e Teatro Maria Matos
Apoios à criação: Fábrica da rua da Alegria (ESMAE), Vera Santos.

Histórias Suspensas

06 e 07 Julho LU.CA | Lisboa

Imaginamos três narradores de histórias. O corpo e a voz saltam para dentro das histórias, agindo e reagindo através de voos, voltas e reviravoltas. Criam-se desvios que nos levam a outras pequenas histórias.

Link + Info’s

Direção Artística: Joana Providência
Intérpretes e Co-criadores: António Franco de Oliveira, Filipe Caldeira, Julieta Rodrigues e Rui Paixão
Cenário: A2G Arquitectura – Ângela Frias e Gonçalo Dias
Figurinos: Julieta Rodrigues
Adereços: Suzete Rebelo
Sonoplastia: Flanco
Coordenação Técnica, Cenografia e Operação de Som: Emanuel Santos | Hugo Ribeiro | Rui Azevedo
Desenho de luz (versão palco): Wilma Moutinho
Operação luz: Wilma Moutinho | Luís Ribeiro
Co-produção: RADAR 360º Associação Cultural e Teatro Maria Matos
Apoios à criação: Fábrica da rua da Alegria (ESMAE), Vera Santos.

Histórias Suspensas

06 e 07 Julho LU.CA | Lisboa

Imaginamos três narradores de histórias. O corpo e a voz saltam para dentro das histórias, agindo e reagindo através de voos, voltas e reviravoltas. Criam-se desvios que nos levam a outras pequenas histórias.

Link + Info’s

Direção Artística: Joana Providência
Intérpretes e Co-criadores: António Franco de Oliveira, Filipe Caldeira, Julieta Rodrigues e Rui Paixão
Cenário: A2G Arquitectura – Ângela Frias e Gonçalo Dias
Figurinos: Julieta Rodrigues
Adereços: Suzete Rebelo
Sonoplastia: Flanco
Coordenação Técnica, Cenografia e Operação de Som: Emanuel Santos | Hugo Ribeiro | Rui Azevedo
Desenho de luz (versão palco): Wilma Moutinho
Operação luz: Wilma Moutinho | Luís Ribeiro
Co-produção: RADAR 360º Associação Cultural e Teatro Maria Matos
Apoios à criação: Fábrica da rua da Alegria (ESMAE), Vera Santos.

Junho 2019

Glissando Opus Mastro

29 de Junho| 17h30h e 19h30 | Casa da Cerca, Almada

Glissando Opus Mastro, é uma performance para Mastro Português, Acrobacia e Vozes!
Este trabalho foi uma encomenda da Casa da Cerca à Companhia RADAR 360º no âmbito da “Festa da Cerca 2019”. O ponto de partida para a criação, tem como base uma reflexão sobre temas como peso e leveza, tangível e intangível, corpóreo e incorpóreo
Fomentando um discurso irónico e simultaneamente poético, a peça convida o espectador a contemplar paisagens visuais numa metamorfose onírica de sons, corpos, palavras e imagens, capazes de rasgar com o gesto quotidiano, rumo ao extraordinário! Procuramos uma densidade leve, ou uma leveza densa, e interpretamos a nossa arte como algo capaz de transgredir as leis da física que gere os corpos na terra, para se propor a caminhar por lugares impossíveis, rumo á ilusão da nossa percepção…
A nossa arte surge como um lugar de transgressão!
 
Ficha artística:
Direção Artística e Sonoplastia – António Franco de Oliveira;
Interpretação: Deeeogo Oliveira, Pedro Esteves e elementos da comunidade local;
Dramaturgia e Voz: Alícia Corral;
Rigging: Pedro Pacheco;
Produção: Julieta Rodrigues;
Duração: 20m aprox.

Glissando Opus Mastro

29 de Junho| 17h30h e 19h30 | Casa da Cerca, Almada

Glissando Opus Mastro, é uma performance para Mastro Português, Acrobacia e Vozes!
Este trabalho foi uma encomenda da Casa da Cerca à Companhia RADAR 360º no âmbito da “Festa da Cerca 2019”. O ponto de partida para a criação, tem como base uma reflexão sobre temas como peso e leveza, tangível e intangível, corpóreo e incorpóreo
Fomentando um discurso irónico e simultaneamente poético, a peça convida o espectador a contemplar paisagens visuais numa metamorfose onírica de sons, corpos, palavras e imagens, capazes de rasgar com o gesto quotidiano, rumo ao extraordinário! Procuramos uma densidade leve, ou uma leveza densa, e interpretamos a nossa arte como algo capaz de transgredir as leis da física que gere os corpos na terra, para se propor a caminhar por lugares impossíveis, rumo á ilusão da nossa percepção…
A nossa arte surge como um lugar de transgressão!
 
Ficha artística:
Direção Artística e Sonoplastia – António Franco de Oliveira;
Interpretação: Deeeogo Oliveira, Pedro Esteves e elementos da comunidade local;
Dramaturgia e Voz: Alícia Corral;
Rigging: Pedro Pacheco;
Produção: Julieta Rodrigues;
Duração: 20m aprox.

Glissando Opus Mastro

29 de Junho| 17h30h e 19h30 | Casa da Cerca, Almada

Glissando Opus Mastro, é uma performance para Mastro Português, Acrobacia e Vozes!
Este trabalho foi uma encomenda da Casa da Cerca à Companhia RADAR 360º no âmbito da “Festa da Cerca 2019”. O ponto de partida para a criação, tem como base uma reflexão sobre temas como peso e leveza, tangível e intangível, corpóreo e incorpóreo
Fomentando um discurso irónico e simultaneamente poético, a peça convida o espectador a contemplar paisagens visuais numa metamorfose onírica de sons, corpos, palavras e imagens, capazes de rasgar com o gesto quotidiano, rumo ao extraordinário! Procuramos uma densidade leve, ou uma leveza densa, e interpretamos a nossa arte como algo capaz de transgredir as leis da física que gere os corpos na terra, para se propor a caminhar por lugares impossíveis, rumo á ilusão da nossa percepção…
A nossa arte surge como um lugar de transgressão!
 
Ficha artística:
Direção Artística e Sonoplastia – António Franco de Oliveira;
Interpretação: Deeeogo Oliveira, Pedro Esteves e elementos da comunidade local;
Dramaturgia e Voz: Alícia Corral;
Rigging: Pedro Pacheco;
Produção: Julieta Rodrigues;
Duração: 20m aprox.

Oficina Suspensa

29 e 30 de Junho| 16h30h | Teatro Luís de Camões, Lisboa

As histórias fazem parte da identidade cultural de qualquer ser humano. Dentro das histórias existem personagens que alimentam a nossa imaginação. Quando nos reencontramos com elas, construímos um imaginário colectivo e vivemos intensamente esse momento efémero. Transformamos a realidade num mundo fantástico, e acreditamos numa série de possibilidades impossíveis, invertemos a ordem natural das coisas! A ideia de desenvolver esta oficina, surge da necessidade de criarmos um tempo de partilha com todos aqueles que gostam de ouvir histórias, contar histórias, construir histórias, inventar outras histórias dentro das histórias e, sobretudo, viver todas estas histórias…

Nesta OFICINA SUSPENSA as possibilidades são infinitas, e o limite é a própria imaginação!

Oficina Suspensa

29 e 30 de Junho| 16h30h | Teatro Luís de Camões, Lisboa

As histórias fazem parte da identidade cultural de qualquer ser humano. Dentro das histórias existem personagens que alimentam a nossa imaginação. Quando nos reencontramos com elas, construímos um imaginário colectivo e vivemos intensamente esse momento efémero. Transformamos a realidade num mundo fantástico, e acreditamos numa série de possibilidades impossíveis, invertemos a ordem natural das coisas! A ideia de desenvolver esta oficina, surge da necessidade de criarmos um tempo de partilha com todos aqueles que gostam de ouvir histórias, contar histórias, construir histórias, inventar outras histórias dentro das histórias e, sobretudo, viver todas estas histórias…

Nesta OFICINA SUSPENSA as possibilidades são infinitas, e o limite é a própria imaginação!

Oficina Suspensa

29 e 30 de Junho| 16h30h | Teatro Luís de Camões, Lisboa

As histórias fazem parte da identidade cultural de qualquer ser humano. Dentro das histórias existem personagens que alimentam a nossa imaginação. Quando nos reencontramos com elas, construímos um imaginário colectivo e vivemos intensamente esse momento efémero. Transformamos a realidade num mundo fantástico, e acreditamos numa série de possibilidades impossíveis, invertemos a ordem natural das coisas! A ideia de desenvolver esta oficina, surge da necessidade de criarmos um tempo de partilha com todos aqueles que gostam de ouvir histórias, contar histórias, construir histórias, inventar outras histórias dentro das histórias e, sobretudo, viver todas estas histórias…

Nesta OFICINA SUSPENSA as possibilidades são infinitas, e o limite é a própria imaginação!

Teatro de Rua | ACE Escola de Artes Famalicão

24 de Junho | Início da Performance no Edifício da Escola, ACE

A turma do segundo ano do curso de interpretação, está a frequentar uma Formação em Contexto de Trabalho no âmbito do Teatro de Rua, dirigida por António Franco de Oliveira. A abordagem pedagógica, propõe-se a olhar para o espaço público como um local de expressão artística e cultural.

A Rua é um palco a 360º, e neste sentido, propomos observar, questionar e reconfigurar os seus códigos, escalas, ritmos e plasticidades… para encontrarmos as diversas linguagens. Ensinar o teatro de rua é partilhar experiências na arte de comunicar no espaço público.
Esta formação será uma descoberta das artes de rua contemporâneas, como um espaço criativo de autor e de propriedade intelectual!

Teatro de Rua | ACE Escola de Artes Famalicão

24 de Junho | Início da Performance no Edifício da Escola, ACE

A turma do segundo ano do curso de interpretação, está a frequentar uma Formação em Contexto de Trabalho no âmbito do Teatro de Rua, dirigida por António Franco de Oliveira. A abordagem pedagógica, propõe-se a olhar para o espaço público como um local de expressão artística e cultural. A Rua é um palco a 360º, e neste sentido, propomos observar, questionar e reconfigurar os seus códigos, escalas, ritmos e plasticidades… para encontrarmos as diversas linguagens.
Ensinar o teatro de rua é partilhar experiências na arte de comunicar no espaço público.
Esta formação será uma descoberta das artes de rua contemporâneas, como um espaço criativo de autor e de propriedade intelectual!

Teatro de Rua | ACE Escola de Artes Famalicão

24 de Junho | Início da Performance no Edifício da Escola, ACE

A turma do segundo ano do curso de interpretação, está a frequentar uma Formação em Contexto de Trabalho no âmbito do Teatro de Rua, dirigida por António Franco de Oliveira. A abordagem pedagógica, propõe-se a olhar para o espaço público como um local de expressão artística e cultural. A Rua é um palco a 360º, e neste sentido, propomos observar, questionar e reconfigurar os seus códigos, escalas, ritmos e plasticidades… para encontrarmos as diversas linguagens.
Ensinar o teatro de rua é partilhar experiências na arte de comunicar no espaço público.
Esta formação será uma descoberta das artes de rua contemporâneas, como um espaço criativo de autor e de propriedade intelectual!

Maio 2019

O BAILE DOS CANDEEIROS

18 Maio | 22h | Serpa, itinerante entre a Biblioteca e o Castelo

Todos nós temos um universo mágico que carregamos da nossa infância. Candeeiros humanos, autónomos, espalhados por pontos estratégicos, transformam os espaços que habitam, e deslocam-se através deles com movimentos específicos:
acendem, apagam, respiram, interagem…

Performance inserida no âmbito da FLiS – FESTA DO LIVRO DE SERPA 2019.

Fotografia: Lino Silva

O BAILE DOS CANDEEIROS

18 Maio | 22h | Serpa, itinerante entre a Biblioteca e o Castelo

Todos nós temos um universo mágico que carregamos da nossa infância. Candeeiros humanos, autónomos, espalhados por pontos estratégicos, transformam os espaços que habitam, e deslocam-se através deles com movimentos específicos:
acendem, apagam, respiram, interagem…

Performance inserida no âmbito da FLiS – FESTA DO LIVRO DE SERPA 2019.

Fotografia: Lino Silva

O BAILE DOS CANDEEIROS

18 Maio | 22h | Serpa, itinerante entre a Biblioteca e o Castelo

Todos nós temos um universo mágico que carregamos da nossa infância. Candeeiros humanos, autónomos, espalhados por pontos estratégicos, transformam os espaços que habitam, e deslocam-se através deles com movimentos específicos:
acendem, apagam, respiram, interagem…

Performance inserida no âmbito da FLiS – FESTA DO LIVRO DE SERPA 2019.

Fotografia: Lino Silva

Abril 2019

Arrumadores de Pessoas

27 Abril | 16h e 17h30 | Santiago de Compostela, Espanha, Praça Central Gaiás

A Companhia RADAR 360° representou Portugal na Cidade da Cultura da Galiza em Santiago de Compostela, Espanha, no evento ‘Cidade Imaxinaria’ com a performance em “Site Specific”, Arrumadores de Pessoas. Foi um prazer Imaginar convosco!

Mais info’s no programa: https://www.cidadedacultura.gal/es/evento/cidade-imaxinaria-primavera-2019

O Som Riscado | MANIPULA#SOM

12 Abril | 10h e 21h30 | Cine-Teatro Louletano | Loulé, Algarve

O Som Riscado é um festival singular a sul do país, que fomenta cruzamentos e diálogos criativos entre a música de cariz experimental e os universos da imagem e das artes visuais, bem como abordagens exploratórias em torno da arte sonora.

A Companhia RADAR 360º estará representada com a peça “MANIPULA#SOM”.

MANIPULA#SOM é um concerto visual de carácter circense! 
A linguagem artística do projecto, nasce do diálogo entre a manipulação de objectos e a música interactiva.

Coprodução: Centro Cultural de Belém, Teatro Municipal do Porto e Radar 360º Associação Cultural

Arrumadores de Pessoas

27 Abril | 16h e 17h30 | Santiago de Compostela, Espanha, Praça Central Gaiás

A Companhia RADAR 360° representou Portugal na Cidade da Cultura da Galiza em Santiago de Compostela, Espanha, no evento ‘Cidade Imaxinaria’ com a performance em “Site Specific”, Arrumadores de Pessoas. Foi um prazer Imaginar convosco!

Mais info’s no programa: https://www.cidadedacultura.gal/es/evento/cidade-imaxinaria-primavera-2019

O Som Riscado | MANIPULA#SOM

12 Abril | 10h e 21h30 | Cine-Teatro Louletano | Loulé, Algarve

O Som Riscado é um festival singular a sul do país, que fomenta cruzamentos e diálogos criativos entre a música de cariz experimental e os universos da imagem e das artes visuais, bem como abordagens exploratórias em torno da arte sonora.

A Companhia RADAR 360º estará representada com a peça “MANIPULA#SOM”.

MANIPULA#SOM é um concerto visual de carácter circense! 
A linguagem artística do projecto, nasce do diálogo entre a manipulação de objectos e a música interactiva.

Coprodução: Centro Cultural de Belém, Teatro Municipal do Porto e Radar 360º Associação Cultural

Arrumadores de Pessoas

27 Abril | 16h e 17h30 | Santiago de Compostela, Espanha, Praça Central Gaiás

A Companhia RADAR 360° representou Portugal na Cidade da Cultura da Galiza em Santiago de Compostela, Espanha, no evento ‘Cidade Imaxinaria’ com a performance em “Site Specific”, Arrumadores de Pessoas. Foi um prazer Imaginar convosco!

Mais info’s no programa: https://www.cidadedacultura.gal/es/evento/cidade-imaxinaria-primavera-2019

O Som Riscado | MANIPULA#SOM

12 Abril | 10h e 21h30 | Cine-Teatro Louletano | Loulé, Algarve

O Som Riscado é um festival singular a sul do país, que fomenta cruzamentos e diálogos criativos entre a música de cariz experimental e os universos da imagem e das artes visuais, bem como abordagens exploratórias em torno da arte sonora.

A Companhia RADAR 360º estará representada com a peça “MANIPULA#SOM”.

MANIPULA#SOM é um concerto visual de carácter circense! A linguagem artística do projecto, nasce do diálogo entre a manipulação de objectos e a música interactiva.

Coprodução: Centro Cultural de Belém, Teatro Municipal do Porto e Radar 360º Associação Cultural

Março 2019

O BAILE DOS CANDEEIROS

30 Março | 21h30 | Campo dos Mártires da Pátria (Traseiras da Reitoria) | Porto

Todos nós temos um universo mágico que carregamos da nossa infância. Candeeiros humanos, autónomos, espalhados por pontos estratégicos, transformam os espaços que habitam, e deslocam-se através deles com movimentos específicos:
acendem, apagam, respiram, interagem…

Interpretação: António Franco de Oliveira, Filipe Caco, Flávio Rodrigues, Mariana Amorim e Tanya Ruivo;
Organização: PortoLazer;
Photo: Diogo Azevedo

O BAILE DOS CANDEEIROS

30 Março | 21h30 | Campo dos Mártires da Pátria (Traseiras da Reitoria) | Porto

Todos nós temos um universo mágico que carregamos da nossa infância. Candeeiros humanos, autónomos, espalhados por pontos estratégicos, transformam os espaços que habitam, e deslocam-se através deles com movimentos específicos: acendem, apagam, respiram, interagem…

Interpretação: António Franco de Oliveira, Filipe Caco, Flávio Rodrigues, Mariana Amorim e Tanya Ruivo;
Organização: PortoLazer;
Photo: Diogo Azevedo.

O BAILE DOS CANDEEIROS

30 Março | 21h30 | Campo dos Mártires da Pátria (Traseiras da Reitoria) | Porto

Todos nós temos um universo mágico que carregamos da nossa infância. Candeeiros humanos, autónomos, espalhados por pontos estratégicos, transformam os espaços que habitam, e deslocam-se através deles com movimentos específicos:
acendem, apagam, respiram, interagem…

Interpretação: António Franco de Oliveira, Filipe Caco, Flávio Rodrigues, Mariana Amorim e Tanya Ruivo;
Organização: PortoLazer;
Photo: Diogo Azevedo.

Workshop - O Movimento do Som

09 Março| 10h às 18h | Guimarães

António Franco de Oliveira ministrou um workshop ao coro juvenil:
– Jovens Cantores de Guimarães da Sociedade Musical de Guimarães/Conservatório de Guimarães.
A formação intitulada “O Movimento do Som” tem como objetivos gerais:
– envolver o corpo como ferramenta de expressão artística;
– utilizar o espaço como elemento vivo da performance;
– potenciar as dinâmicas de grupo;
– desenvolver o trabalho de interpretação cénica.
O workshop será realizado em Guimarães, dia 09 de Março.

Workshop - O Movimento do Som

09 Março| 10h às 18h | Guimarães

António Franco de Oliveira ministrou um workshop ao coro juvenil:
– Jovens Cantores de Guimarães da Sociedade Musical de Guimarães/Conservatório de Guimarães.
A formação intitulada “O Movimento do Som” tem como objetivos gerais:
– envolver o corpo como ferramenta de expressão artística;
– utilizar o espaço como elemento vivo da performance;
– potenciar as dinâmicas de grupo;
– desenvolver o trabalho de interpretação cénica.

Workshop - O Movimento do Som

09 Março| 10h às 18h | Guimarães​

António Franco de Oliveira ministrou um workshop ao coro juvenil:
– Jovens Cantores de Guimarães da Sociedade Musical de Guimarães/Conservatório de Guimarães.
A formação intitulada “O Movimento do Som” tem como objetivos gerais:
– envolver o corpo como ferramenta de expressão artística;
– utilizar o espaço como elemento vivo da performance;
– potenciar as dinâmicas de grupo;
– desenvolver o trabalho de interpretação cénica.

FEVEREIRO 2019

ERASMUS +

Learning Through Theatre and technology

A Companhia RADAR 360º esteve a ministrar uma formação intitulada: ESPAÇO | CORPO | OBJETO no âmbito do programa ERASMUS +.
A oficina teve lugar na escola EB2e3 de Rio Tinto e participaram nesta iniciativa jovens e professores do ensino secundário de cinco países, nomeadamente:
França, Itália, Portugal, Polónia e Turquia.
A ordem de trabalhos foi orientada por António Franco de Oliveira.

ERASMUS +

Learning Through Theatre and technology

A Companhia RADAR 360º esteve a ministrar uma formação intitulada: ESPAÇO | CORPO | OBJETO no âmbito do programa ERASMUS +. A oficina teve lugar na escola EB2e3 de Rio Tinto e participaram nesta iniciativa jovens e professores do ensino secundário de cinco países, nomeadamente:
França, Itália, Portugal, Polónia e Turquia.
A ordem de trabalhos foi orientada por António Franco de Oliveira.

ERASMUS +

Learning Through Theatre and technology

A Companhia RADAR 360º esteve a ministrar uma formação intitulada: ESPAÇO | CORPO | OBJETO no âmbito do programa ERASMUS +.
A oficina teve lugar na escola EB2e3 de Rio Tinto e participaram nesta iniciativa jovens e professores do ensino secundário de cinco países, nomeadamente:
França, Itália, Portugal, Polónia e Turquia.
A ordem de trabalhos foi orientada por
António Franco de Oliveira.

JANEIRO 2019

WEBSITE 2019

A Companhia RADAR 360º està a desenvolver uma nova versão do website (2019)!
Atualizado com as informações e actividades mais recentes, este novo sítio está a ser trabalhado como um centro de memória viva da companhia, um local que revela o passado, com mais de uma década de existência, e que simultaneamente se propõe a imaginar o futuro!
Informações atualizadas em breve!

WEBSITE 2019

A Companhia RADAR 360º està a desenvolver uma nova versão do website (2019)!
Atualizado com as informações e actividades mais recentes, este novo sítio está a ser trabalhado como um centro de memória viva da companhia, um local que revela o passado, com mais de uma década de existência, e que simultaneamente se propõe a imaginar o futuro! Informações atualizadas em breve!

WEBSITE 2019

A Companhia RADAR 360º està a desenvolver uma nova versão do website (2019)!
Atualizado com as informações e actividades mais recentes, este novo sítio está a ser trabalhado como um centro de memória viva da companhia, um local que revela o passado, com mais de uma década de existência, e que simultaneamente se propõe a imaginar o futuro! Informações atualizadas em breve!